GUILTY MUSIC GUILTY PLEASURE II

É verdade estimados leitores…mal passou o Natal e já cometi uma heresia. Ontem depois de ter ingerido dois copos de vinho lembrei-me de sacar os Dire Straits. Filho de imigrantes, todos os anos a chegarmos a fronteira com Espanha, a minha mãe deixava nos escolher uma cassete de música, que depois era rodada incitativamente até chegarmos ao nosso destino em Portugal. A minha mãe tinha esse dom, ouvia e reouvia uma cassete até essa se deteriorar. Uma vez não aguentei mais a Lambada, sai do carro e andei uns valentes quilómetros a pé.

Lembro-me que um ano comprei o Synchronicity dos Police (ainda tenho a cassette) e que a minha irmã escolheu os Imagination. No ano a seguir optei pelo "Brother in Arms" porque tinha o "So far away", musiquinha que apreciava bastante na altura. No entanto foi outra que me marcou mais:

Through these fields of destruction
Baptisms of fire
Ive watched all your suffering
As the battles raged higher
And though they did hurt me so bad
In the fear and alarm
You did not desert me
My brothers in arms

A escutar Mark Knopfler e compania, por breves instantes, sinto o bafo quente de um verão demasiado seco e volto a ser o cachopo sentado ao lado da sua mãe a ser levado pelas enormes planícies de Castilha . Um nó na garganta e uma lágrima no canto do olho são o resultado. Fica a questão: é da música ou é apenas da velhice?

1 comentário:

Zogt Marco disse...

texto bonito.
abraço
rafael