THE WHITE STRIPES - HAND SPRINGS

Terminei, na semana passada, de ler o livro “Fell in Love with the Band – The White Stripes” (vejam o meu post de 23 de Julho de 2009). Durante mais de 10 dias, foi a companhia diária nas sessões de Fisioterapia ao Escafoide. Sim… O maldito Escafoide ainda me persegue. Ao longo desses dias, conheci alguns factos, e canções, que ainda não conhecia dos “The White Stripes”. Entre elas, a fabulosa “Hand Springs”. "Hand Springs" é o lado A de um Split 7”” com os The Dirtbombs. Os alemães têm uma expressão para músicas que não saem da cabeça. “Ohrwurm”, ou, em Português, qualquer coisa como Verme do Ouvido. Depois de ouvir esta música, em Loop, durante mais de vinte minutos, fico com a impressão de uma música a dois tempos. Combina um ritmo profundo, e uma guitarra alucinante, com uma boa história contada de forma calma e envolvente. A história é muito simples. Jack leva a sua namorada a um salão de “bowling” e oferece uma coca-cola. O encontro começou mal. Ele deixa cair o copo de Coca-Cola mas oferece o dele. Não obstante este acto de cavalheirismo, a namorada esta mais interessada em trocar olhares e comentários com um sujeito que jogava “pinball”. Carregado de ciúme, e com medo de a perder, ele deixa cair a sua bola de “Bowling” por cima da máquina de “Pinball”. Pediu desculpa, mas, mesmo assim, ela vai embora com o outro sujeito. A referência ao “Bowling” é um assunto recorrente nas letras dos "The White Stripes". Além de ser uma das suas actividades favoritas de Jack White, foi, num salão de Bowling, que Jack e Meg dinamizaram uma serie de concertos, as segundas-feiras à noite, que deram a conhecer o som de Detroit. Esta música é um bom exemplo de “Blues” e da vida de Jack White.

Sem comentários: