CHUNKLET - A BIBLIA DO ROCK - O EVANGELHO SEGUNDO O BATERISTA

No primeiro dia Deus criou os tambores e os pratos. Os tambores estavam sem ritmo e tempo. Reinava a ausência de ritmo, e o Espírito do “Rock” pairava pelo palco. No futuro (e Deus sabia isso) a ausência de ritmo iria ser um desnecessário sub-sub-sub-genero de um desnecessário género de “free jazz”. Deus fez poucos erros na criação do “Rock”, ter deixado escapar o “free jazz” foi um deles. E Deus disse, “Haja tambores”. Deus viu que os tambores eram barulhentos e separou-os dos pratos. Deus apelidou os tambores de “ritmo” e os pratos de “um bocadinho irritantes”. E apareceu a “batida” e o “solo”. E os “solos” iriam dar tempo para os outros membros da banda terem sexo com as fás porque Deus sabia que ninguém queria fazer sexo com o Baterista.

Sem comentários: