JOÃO PESTE & ACIDOXIBORDEL

Acabei de fazer algo que nunca pensei possivel... Vendi o Maxi do João Peste & Acidoxibordel... Sim... O vinil da Ama Romanta, de 1990, com aquelas letras lindas em branco sob fundo azul... É a vida... Não tem a ver com o preço mas com uma atitude que cultivo de não apego a coisas materiais. É apenas um disco... Uma peça de vinil com um cartão à volta. Não devia custar, mas custa. Que se lixe... Mudei uma serie de coisas na minha vida e esta é uma delas. Não me arrependo. Já despachei quase toda a minha colecção... Deixo aqui um pequeno resumo e um video que carreguei no You Tube com a "Groovy Noise-Dada Rock". Um excelente disco, uma peça da história da Musica Portuguesa que agora vai ser devidamente apreciada e cuidada por outra pessoa. In Trompa: Eu entro em delírio com as imagens escondidas na tua mente“. Nele pululam Zé Pedro Moura, Sapo, Rafael Toral, Jorge Ferraz, Nuno Tempero, Rodrigo Amado, David Souza e…João Peste. Alucinado, ácido, meio demente, surreal, demente e meio, muito ácido, alucinado…sim, é um disco em alucinação permanente, como que vagueando etéreo pelos campos da súbita loucura. Também não será grande a novidade.  Foi bom enquanto durou mas durou pouco, apenas o escasso tempo de um prazer curto mas intenso. É assim Acidoxibordel. Foi assim. Um prazer intenso…perturbante. Sim, porque não, a obra de João Peste e dos que o acompanham, tem sempre o seu quê de perturbante, desenquadrada dos limites da normalidade, da sobriedade, desenquadrada dos limites de um certo produzir banal. Aqui, há um qualquer desespero perturbador. Há. Foi bom recordar uma vez mais, o imenso performer que é João Peste."

Sem comentários: