JOÃO PESTE & ACIDOXIBORDEL

"Tinha as mãos dormentes e os meus olhos iluminavam-se de violeta. Podia até sentir o espirito de Rimbaud adormecendo lentamente no meu colo...". João Peste & Acidoxibordel, Clio Software, 1990, Ama Romanta
Em finais da década de oitenta, após a edição do mini-lp “Illogik Plastik”, os Pop Dell’ Arte decidem fazer uma pequena pausa que duraria até 1991. Durante esse interregno, João Peste, Zé Pedro Moura, Sapo, Rafael Toral, Jorge Ferraz, Nuno Tempero, Rodrigo Amado e David Souza, criam o colectivo João Peste & Acidoxibordel. No extinto espaço lisboeta, “Rock Rendez-Vous”, deram um primeiro concerto, em 10 de Julho de 1989, e, mais tarde, no concerto de Natal, desse mesmo ano, que contou com a presença dos Mler Ife Dada, Sitiados, Essa Entente e Mão Morta. A duração seria efémera, tendo sido dissolvido, em Fevereiro de 1990, supostamente em virtude de divergências internas entre os dois principais mentores do projecto, João Peste e Jorge Ferraz. Todavia, em Julho desse mesmo ano foi editado (Ama Romanta - MR0019) o EP homónimo que, em 2000, teve direito a uma reedição, em formato CD-Single, pela Candy Factory. Em ambos os suportes, o alinhamento é o mesmo: Groovy Noise-Dada Rock, Clio Software, Cocaine, Amigo, Distante Domingo (TL-2 Napoleon). Todo este E.P. parece ser uma viagem a uma dimensão alternativa de som, imagem e cor, ligada a um novo mundo digital, permitida por um universo lisergico povoado, de acordo com os seus autores, pelos Sonic Youth, Jimi Hendrix, Led Zeppelin, Butthole Surfers, Kurt Schwitters, Almada Negreiros, Wyndham Lewis, Jean Cocteau e Pablo Neruda. Espero que gostem.

Sem comentários: