ELECTRIC MOON (04)

No myspace da banda podemos ouvir temas como Kleiner Knaller (Pequena Explosão), Lulunatic, Feigenmonolog (Monologo dos Figos) Demoon (Live 2010) e Moon Love. Apenas esta última faz parte do disco de estreia, Lunatics, editado pela Nasoni, em Setembro, e que contêm Gefährliche Planetengirls (As perigosas planetárias), Lunatic, Brain Eater e Hotel Hell. Longas improvisações psicadélicas são o prato forte deste disco. Por certos inspirados em Earthless, Blue Cheer, Acid Mother Temple, Iron Butterfly, Neu!, Kraftwerk, Faust, Moon Duo, entre muitos outros, o som cósmico, e possante, deste trio é suficiente para encher uma sala, um cérebro, uma floresta, uma praia ou uma qualquer outra dimensão de tempo e espaço. Dá vontade de fazer como o NapalmDave, dos WTTA…I would point my ampright at my face, Sit in my chair and turn the volume … all the wayup and proceed to blow my brains out…”. A guitarra de Sula Bassana é a principal atracção em todo o álbum. Viagens longas, hipnóticas, com muito Groove e a lembrar um Lindo Sonho Delirante. Todavia, é a secção rítmica que sustem todo este passeio sideral pois marca o tempo e coloca nos carris uma poderosa locomotiva. As cinco faixas que compõem o álbum contem muitos over-dubs, arranjos e efeitos electrónicos pelo que não falamos de um álbum puramente improvisado. Ficamos com uma sensação de expansão e conforto. O álbum começa com a Gefährliche Planetengirls. Soa a Krautrock, a Stereolab (Emperor Tomato Ketchup), a Wooden Shijps e a anos Setenta. Tudo misturado de um forma muito hipnótica e simples. Meditativa, Stoner e caleidoscópica. A música Lunatic segue pelo mesmo caminho até que, por volta do minuto 8, parece que alguém decidiu despejar nitro e a música decide ganhar voo para planar sem rumo. Os 19 minutos da Brain Eaters são os culpados do meu vício. Já ouvi diversas vezes esta música, sem nunca cansar, sem nunca ficar farto, sem mudar de sitio. Tem sido a minha companhia nas, infindáveis, viagens de transportes públicos. O que acho curioso é que este tema tem um bocado de tudo. Começa com um som negro, cavernoso, hipnótico para, logo a seguir, começar uma passeata, a uma velocidade crescente e ondulante, por um caminho que só eles sabem onde termina. Hotel Hell é uma versão do Eric Burdon & the Animals com uma atmosfera verdadeiramente diferente e a Moon Love é o canto da sereia. A voz melancolia, em forma de som, de Lulu, atrai para as profundezas de algo muito energético a partir do minuto 13. Ainda dos Electric Moon temos a D Tune uma obra de 17 minutos constante da edição em vinil e que aqui vos deixo neste vídeo.

Sem comentários: