ALEXANDRE HERCULANO - A Dama do Pé de Cabra

Pelo cabo da vassoura,
Pela corda da polé,
Pela víbora que vê,
Pela Sura, e pela Toura;
Pela vara do condão,
Pelo panno da peneira,
Pela velha feiticeira,
Do finado pela mão;
Pelo bode, rei da festa,
Pelo çapo inteiriçado,
Pelo infante dessangrado
Que a bruxa chupou á sésta;
Pelo craneo alvo e lustroso
Em que sangue se libou,
E do irmão que irmão matou,
Pelo arranco doloroso;
Pelo nome de mystério
Que em palavras se não diz,
Vinde lã precítos vis;
Vinde ouvir o meu psaltério!
E dançae-me, aqui na terra,
Uma dança doudejante,
Que entonteça dum instante
O meu filho Inigo Guerra.
Que elle durma um anno inteiro,
Como em somno de uma hora
Juncto à fonte que allí chora
Sobre a relva deste outeiro


Ladainha de bruxas, cantada pela Dama, a seu filho Inigo Guerra. “A Dama Pé de Cabra – Rimance de um jogral – Seculo XI” em “Lendas e Narrativas” por Alexandre Herculano, Tomo II, Edição de David Lopes, Livraria Bertrand.

Nota: Comprei estes dois volumes ao Sr. Cadavez, na Livraria Académica, por 500$00, quando andava perdido pela baixa do Porto em 1996.

Sem comentários: