O NOME DA ROSA - UMBERTO ECO


Humberto Eco foi um dos grandes génios do nosso tempo com uma capacidade de cruzar conhecimentos. É dele um dos argumentos que marcou a minha adolescência e que, ciclicamente, retorno para sentir o pulsar da trama aristotélica ou do prazer proibido que, naquele caso, era a comédia. Um conhecedor profundo dos tempos medievais recordo que, há muitos anos, li que ele considerava-se como um filosofo e que, enquanto romancista, só escrevia, e de vez em quando, aos fins de semanas. Mas como a vida é repleta de ironias e o humor na obra de Eco tinha um espaço próprio, em 1969, escreveu ele numa das primeiras edições da Mafalda do Quino: "Já que os nossos filhos se vão tornar - por escolha nossa - outras tantas Mafaldas, será prudente tratarmos a Mafalda com o respeito que merece uma personagem real."

Sem comentários: